Posted in:

3 exercícios de Pilates para tratamento da Escoliose

tratamento da escoliose com pilates

O que é escoliose? Saiba mais sobre este problema que afeta milhares de indivíduos e quais exercícios podemos fazer e praticar.

Antes de começar a explicar sobre esta patologia, vamos entrar a fundo sobre a nossa coluna vertebral, pois é ela a maior responsável pelas ações de movimentos do nosso corpo. Sua anatomia é bem complexa, sendo assim é necessário se ter uma boa noção dessas estruturas para que conseguimos entender sobre esse mau e aprender melhor sobre o tratamento da escoliose.

A coluna vertebral é constituída por:

  • Ossos (vértebras);
  • Discos intervertebrais;
  • Medula espinhal;
  • Ligamentos;
  • Músculos.

A seguir iremos destrinchar todos esses tópicos acima para que desta forma explicaremos umas das patologias acometidas em nossa coluna.

Vértebras

anatomia da coluna vertebral

É dividida em 4 (quatro) regiões, que são:

  • Coluna Cervical: é composta por 7 vértebras (pescoço)
  • Coluna Torácica: é composta por 12 v]vértebras (tronco)
  • Coluna Lombar: é composta por 5 vértebras (cintura)
  • Sacro: é composta por 5 vértebras fundidas (quadril)
  • Cóccix: também composta por 5 vértebras fundidas

O sacro é a base da nossa coluna e é responsável pela articulação com a bacia, sendo assim quando corre alterações nessa região podem ocasionar diversos problemas a nossa coluna.

Nossa coluna pode ser vista de vários ângulos, sendo assim quando vimos de frente e costas observamos uma coluna reta já na visão de perfil (região lateral) observamos uma curvatura chamada de lordose e cifose.

Existem outras curvaturas além dessas que citamos acima, é muito comum encontrar indivíduos que apresentam uma acentuada curvatura chamada de hiperlordose ou hipercifose, mas também temos algumas pessoas que não apresentam nenhuma dessas curvaturas, portanto essas curvaturas são denominadas de segmento retificado ou zona plena.

A nossa coluna é dividida por vários seguimentos, tais como:

Região cervical C1 a C7 – Pescoço

região cervical

Esta região é a parte amis alta da coluna. De todo esse conjunto de vertebras apenas duas não apresenta discos intervertebrais que soa as vértebras c1 e c2, nessa região dizemos que são chamadas de lordose cervical. Afirmamos também que este segmento é de maior mobilidade, portanto quando ocorre algum desalinhamento ou alterações nas mesmas dizemos que temos algum problema de origem postural ocasionando desconfortos e dores nos discos e nas vértebras.

Aplicamos todo esse conceito para todas as vértebras desde as cervicais, torácicas e lombares, ou seja, qualquer alteração pode ocorrer em todas e trazer diversas consequências a saúde de cada indivíduo pois cada um pode apresentar ou manifestar situações diferentes de algias (dores). Como sabemos as vértebras da parte de cima quanto a da parte de baixo vão apresentar vértebras e discos de tamanhos e volumes diferentes. Portanto os discos e vértebras são mais estreitos nessa região.

Coluna torácica T1 a 7 12 – Tronco

região torácica

É a região media da coluna que possui 12 verteras. Localiza nessa região 12 pares de costela, sendo que 7 pares se unem com o osso externo (encontra-se entre o lado direito e o lado esquerdo do peito). As outras três costelas se articulam com a cartilagem do externo, estas por si só são chamadas de costelas falsas. Já as duas últimas são flutuantes, ou seja, elas são soltas e são fixas apenas na porção posterior da coluna. As mesmas não se articulam com o externo e sua curvatura são opostas à da coluna lombar e cervical onde denominamos de cifose torácica. Encontramos esta postura mais em indivíduos idosos pois neste caso a região encontra-se mais fraca devido a fraqueza muscular, desidratação e a diminuição de discos. Quando esta região apresenta uma curvatura amis acentuada chamamos de hipercifose.

Coluna Lombar L1 a L5 – Cintura:

região lombar

É a região baixa e nela se encontra a coluna lombar. Nesta região possui 5 vértebras. A sua curvatura é normalmente visualizada como uma curvatura lordótica. Vale ressaltar que é nesta região que a sobrecarga aumenta, ou seja é neste momento que levamos a leões de discos e vértebras devido a amplitude de movimentos como flexão anterior e posterior.

Sacro e Cóccix

Abaixo da última vértebra da coluna lombar temos o sacro e o cóccix. O primeiro (sacro) tem uma importância função que é a biomecânica de nossa coluna pois é através dele que tem a comunicação com a bacia ou seja é ele que é o maior responsável pela nossa postura e determinação da angulação. Esse ângulo é formado pelo sacro e a cabeça do fêmur ou seja determina o equilíbrio do quadril com a nossa coluna.

A nossa coluna apresenta quatro curvaturas importantes, portanto para se obter uma boa postura é necessário que este padrão se encontre preservados, assim consideramos uma coluna normal e saudável.

  • Uma curvatura cervical projetada um pouco para frente;
  • Uma curvatura torácica projetada para trás;
  • Uma curvatura lombar projetada para frente;
  • A curvatura do sacro projetada para trás.

Discos intervertebrais

Esses discos são estruturas cartilaginosa que apresentam pouca vascularização. Seu tamanho e formato varia de acordo com o segmento de nossa coluna, sendo que esta é a estrutura mais afetada e que leva muitos brasileiros a sérios prejuízos. É formado por 23 discos sendo este localizados entre a s vértebras e sua principal função é não levar que estes discos não se envelheçam de forma rápida pois desta forma deixamos a nossa coluna em um grande desgaste.

Sendo assim ao cuidarmos de todo este processo conseguimos que a nossa coluna não sofra e proporcionamos assim um alivio de muitas dores. Os idosos neste caso são muitas vezes os mais afetados pois neste caso ocorre um envelhecimento e uma desidratação natural da idade.

Quando este disco encontra lesionado acabamos levamos a uma series de complicações pois a sustentação dessas estruturas não está de maneira adequado portanto o surgimento de diversas patologias é muito grande, devido a isso podemos citar algumas complicações.

Medula Espinhal

Seu formato é cilíndrico que se localiza dentro do canal vertebral. O trajeto se inicia no crânio que vai até a primeira u segunda vertebra lombar e logo após se ramifica, sendo que estas ramificações chamamos de cauda equina.

Também observamos a origem d e vários pares de nervos em torno de 31 que se localizam entre a colina vertebral (ficam entre uma vértebra e outra). A principal função da medula é transmitir impulsos nervos aos músculos promovendo assim os movimentos. São constitua por três membras que protegem o encéfalo, são elas:

  • Dura-máter,
  • Aracnoide;
  • Pia-máter ou também podemos chamar de meninges.

Os ligamentos

Esses pequenos e grandes fios são estruturas responsáveis pelas unem de um ou mais ossos que geram uma estabilidade e segurança além de ser um tecido fibroso. Essas estruturas são estáticas ou seja não corre nenhum tipo de movimentação. Os principais ligamentos da coluna são:

  • Ligamento longitudinal anterior
  • Ligamento longitudinal posterior
  • Ligamento esternocostal intra-articular
  • Ligamento costotransversal lateral
  • Ligamento costotransversal superior
  • Ligamento intertransversal
  • Ligamento radiado

Músculos

músculos da coluna

Existem dois tipos de músculos em nossa coluna que são os músculos profundos e superficiais além de terem aquelas que não soa tão próximos que também influenciam em nossa coluna. Como sabemos deixar a musculatura bem fortalecida ajudara no desempenho do dia a dia. Afinal proteger nossa coluna é fundamental e um dos principais músculos a serem fortalecidos são os músculos multífidos.

Esses músculos são os mais profundos e são os responsáveis pela estabilidade de nossa coluna gerando mais de uma função quando ele é executado ou seja esse músculo bem fortalecidos a coluna ficar mais saudável e estável. Vamos citar mais alguns outros músculos importantes que também devemos ressaltar. São eles:

  • Intertransversais,
  • Interespinhais,
  • rotadores,
  • Paravertebrais
  • Eretores

Agora que já falamos um pouco sobre a nossa coluna vamos entra em mais detalhes sobre umas das mais diversas patologias que existem em nossa coluna. Hoje vamos abordar o assim muito comum de ser encontrado nos dias atuais e o tratamento da escoliose.

O que é escoliose

como é o tratamento da escoliose

Definimos escoliose como um desalinhamento da coluna ou seja é quando ocorre um desequilíbrio muscular e também o mau uso e das posições que ficamos no decorrer do nosso dia a dia. As curvaturas podem ser encontrar em qual região da coluna

Classificações da escoliose

  • Coluna em C esta curvatura tende a gerar desconfortos para o lado direito ou para o lado esquerdo
  • Coluna em S esta por sua vez por gerar desconfortos em ambos os lados.

Tenso que levar muito em conta os ângulos pois é através desses ângulos que vamos elaborar e planejar o plano de tratamento para todos os indivíduos com essa patologia. Os ângulos são:

  • 0 à 10 graus: não há necessidade de tratamento fisioterápico.
  • 10 à 20 graus: há necessidade de tratamento fisioterápico.
  • 20 à 30 graus: tratamento fisioterápico e uso de colete ortopédico ou de Milwakee.
  • 30 à 40 graus: uso do colete ortopédico ou Milwakee.
  • 40 à 50 graus: somente tratamento cirurgico.

Além de saber de todo esse processo temos que salientar também que a escoliose é dividida em três tipos sendo os dois primeiros os amis importantes e mais decorrentes:

  • Escoliose idiopática: esta é que amis corre no nosso dia a dia e normalmente corre em adolescentes devido ao crescimento que acontece nessa fase. Sua causa é desconhecida. Na escoliose idiopática ainda encontramos as seguintes divisões:
  1. Escoliose infantil 0 a 3 anos
  2. Escoliose juvenil 3 a 9 anos
  3. Escoliose do adolescente; 10 a 18 anos
  4. Escoliose do adulto acima de 18 anos
  • Escoliose congênita: este tipo de escoliose já é decorrente a nascença ou seja neste caso o indivíduo nasce com uma má formação
  • Escoliose muscular: relaciona a fraqueza muscular, ou seja desequilibro musculares.

Sintomas da escoliose

Em mitos casos a escoliose não é notável e é só vista com o passar das idades, quando se vê a percepção desta patologia é quando ela se apresenta de forma bem clara no indivíduo. Os principais sinais a serem encontrados são:

  • Desalinhamento de quadril e ombros;
  • Desalinhamento da cintura
  • Inclinação para um dos lados devido ao encurvamento da coluna vertebral
  • Desalinhamento de membros inferiores
  • Aligas nas costas

 Diagnóstico

Para se avaliar este tipo de patologias é necessário eu soja feita uma avaliação minuciosa ou seja bem detalhada para que o planejamento seja feito de forma mais coerente. Normalmente é feito exames clínicos e radiografas

Tratamento da escoliose

Existe duas maneiras que podemos colocar como tratamento para esta patologia. Vamos citar algumas e focar em uma primordial que hoje esta sendo muito utilizada como meio reabilitativo.

  1. Tratamento conversador: este visa tratamentos por meio de:
  • Fisioterapia
  • RPG
  • Pilates
  1. Tratamento cirurgico: este visa realizar procedimentos para correções de ângulos

Associando todos esses meios de tratamentos conservadores vamos mais enfatizar o método Pilates como meio mais global que vem obtendo resultados extraordinários em diversos pacientes. As montagens das aulas para indivíduos portadores de escoliose devem ser de acordo com:

  • Ativação dos músculos estabilizadores;
  • Liberação dos músculos em retração;
  • Ativação do Power House, core (músculos abdominais);
  • Trabalho de consciência corporal;

Podemos elabora um protocolo para que o mesmo execute de uma maneira mais consciente os movimentos s a serem desejados.

  • Avaliação postural
  • Iniciar com trabalhos respiratórios para expansão da caixa torácica
  • Mobilização de coluna vertebral para promover flexibilidade e estímulos proprioceptivos favorecendo a estabilidade da coluna.
  • Alongamentos musculastes
  • Fortalecimentos musculares
  • Ativação do core

A seguir colocarei alguns exercícios de Pilates a serem indicados.

Exercício 1 SIDE BEND  

Objetivos

  • Fortalecer: Multífidos, quadrado lombar, deltoide, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curva lombar.
  • Alongar: cadeia lateral.

 Exercício 2 MERMAID  

Objetivos

  • Fortalecer: Multífidos, quadrado lombar, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curvas lombar e torácica.
  • Alongar: cadeia lateral.

Exercício 3 KNEE STRETCHES

Objetivos

  • Fortalecer: quadríceps, isquiotibiais, multífidos, quadrado lombar, eretores da espinha, transverso do abdômen, oblíquos interno e externo, e demais músculos da casa de força.
  • Mobilizar: curva lombar e torácica.
  • Alongar: cadeia anterior.

Conclusão

É importante salientar que a escoliose tem que ser tratada pois é uma patologia que muitas vezes não apesenta muitas queixas e sim desconfortos musculares. Quanto mais cedo é observada mais fácil de ser reabilitada promovendo assim uma melhora em todo o quadro álgico e de desequilíbrio muscular. Todos os tratamentos são muitos variolosos e ajudam em todo esse processo.

Fonte: Thiago Rizaffi Xavier

Fisioterapeuta Crefito 3/80506-F

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *