Posted in:

18 ideias de exercícios de Treinamento Funcional em dupla

exercícios de treinamento funcional em dupla

Você está procurando ideias para deixar sua aula mais dinâmica e animada então entra no Instagram. Lá encontra dúzias de fotos de Treinamento Funcional em dupla onde as pessoas estão sorrindo e se divertindo.

Será que vale a pena usar exercícios em dupla com seus alunos?

A verdade é que esse tipo de exercício está ficando cada vez mais popular. Uma boa parte dos clientes entra na academia em busca de muito mais que exercício físico. Eles também esperam um local de convívio social onde se sintam bem.

E para isso será necessário ter conexões com outras pessoas. Por isso muitos treinadores optam por usar exercícios em dupla que coloquem os alunos em contato próximo.

Se você realmente quer uma aula mais atrativa e lúdica também recomendo que comece a adotar as duplas. Nesse artigo você entenderá melhor as vantagens e cuidados que precisa tomar com exercícios de Treinamento Funcional em dupla.

Também separei 5 ideias de exercícios em dupla para te inspirar e usar com seus alunos. Quer aprender tudo isso? Então continue lendo.

Benefícios de usar exercícios de Treinamento Funcional em dupla

treinamento funcional em dupla benefícios

Mentalmente lembre o número de academias, Studios e espaços dedicados ao exercício que existem no seu bairro. São muitos, certo?

Vamos para outro exercício. Você consegue me dizer qual é o seu diferencial em relação a esses lugares?

Talvez você seja um profissional dedicado que busca o bem de seus alunos. Além de se manter sempre atualizado, como mencionei num artigo anterior, suas aulas precisam ser atrativas.

Caso contrário, nada impede o cliente de simplesmente sair pela porta e ir no outro estabelecimento que fica poucas quadras do seu. E mesmo que o aluno não desista de você, se ele ficar entediado provavelmente vai faltar com mais frequência.

E quando o aluno começa a faltar muito existe outro problema: ele não atinge seus objetivos como queria. Isso gera insatisfação, dúvida e no fim das contas leva o aluno a te abandonar de qualquer jeito.

Claro que isso não quer dizer que exercícios em dupla são a solução para seus problemas. Mas eles podem te ajudar a melhorar a qualidade de sua aula de Treinamento Funcional.

Aumenta a motivação do aluno

treinamento funcional em dupla e motivação

Qualquer atividade em grupo ajuda a melhorar a motivação. Isso é tão verdadeiro que muitas empresas adotam dinâmicas em grupo para melhorar a produtividade e motivação de uma equipe.

A motivação é um fator essencial para qualquer atividade humana, isso porque ela afeta tanto a memória quanto a atenção. Se você senta para escrever aquela monografia de mestrado precisa estar motivado ou vai ter problemas para fazer o texto.

Muitas vezes o objetivo principal do aluno é algo de longo prazo. Um exemplo é o emagrecimento, tão procurado por mulheres e homens que querem o corpo dos sonhos.

Eles não vão perder peso ou medidas da noite por dia e sabem disso. Então será que faltar em uma aula só vai atrapalhar? Provavelmente não.

Se isso acontecesse raramente, esses alunos permaneceriam no caminho para o objetivo e uma vida melhor em geral. Mas a falta de motivação faz com que esse comportamento se torne uma bola de neve.

Ontem a pessoa faltou porque queria chegar em casa cedo para lavar roupa, hoje vai faltar para poder assistir novela à noite, amanhã porque está com uma dorzinha de cabeça. E assim continua.

Para garantir que exista motivação para realizar alguma atividade precisamos de recompensas a curto e longo prazo. Perder peso será uma recompensa a longo prazo, enquanto encontrar um ambiente confortável e acolhedor pode ser uma recompensa a curto prazo.

Quando o aluno se sente bem toda vez que vai ao Treinamento Funcional, apesar de cansado, ele sente vontade de voltar.

Ao interagir com outros alunos, a pessoa sentirá que é parte de um grupo, ficará mais animada e como consequência terá mais vontade de estar lá.

Incentiva a competitividade

treinamento funcional em dupla competitividade

Outro fator que ajuda a motivar alguém é a competitividade. Estudos mostram que fazer amizades e competir entre outros praticantes estão entre os principais motivos que levam alguém a escolher uma atividade física.

Mesmo que a estética ou a saúde ainda sejam importantíssimos para alguém decidir começar a treinar, a relação com outros praticantes importa e muito.

Quando o assunto são atletas essa busca pela competitividade é bastante compreensível. Eventualmente eles precisarão superar seus pares em campeonatos para conseguirem medalhas e glória. Mas por que competir e se comparar com os outros tem a ver com praticantes de esporte normais?

Realmente, o maior público de uma academia são pessoas normais que só querem manter a forma. Mas ter alguém para se comparar é uma motivação para a maioria.

Jovens e adultos são bastante competitivo, tanto no ambiente de trabalho quando nas atividades físicas. Treinar com outras pessoas cria um desafio: o de se manter no mesmo nível que os outros ou supera-los. Mesmo que isso não dê prêmios ou uma medalha para o aluno.

A competitividade também ajuda o aluno a sentir-se motivado o suficiente para ir em todas as aulas. Treinando em contato próximo com outros ele fica consciente que ao faltar com frequência ficará menos apto que os demais.

Mesmo que você trabalhe com pessoas pouco competitivas, elas certamente não querem ficar para trás do grupo.

Os exercícios de Treinamento Funcional em dupla são ótimos porque ajudam nossos alunos a conviver em grupo, competindo de maneira saudável. Quando falo sobre competição, jamais podemos perder a excelência do trabalho seja ele na reabilitação ou no preparo físico.

Cria um novo círculo social para o aluno

treinamento funcional em dupla convívio social

Como disse no início desse artigo, os clientes tornam-se cada vez mais exigentes. Claro que é difícil alguém dizer diretamente para você que quer fazer amizades e se sentir bem treinando. Geralmente só ficamos sabendo dos objetivos estéticos ou de saúde de cada um.

Mas certamente todos os clientes que treinam com você estão em busca de um ambiente agradável e que os faça se sentir incluídos. O que pode ser difícil de criar numa aula cheia de estranhos.

Na hora que o instrutor diz: “Se separem em duplas para o próximo exercício”, os alunos são forçados a interagir, mesmo que sejam desconhecidos.

Quer comparar essa interação dos alunos em aulas onde não existem atividades colaborativas? Então entre numa academia tradicional e veja como os praticantes interagem. No máximo eles trocam um “boa noite” quando se encontram na porta.

Seus alunos já estão perto de serem amigos. Eles têm um interesse em comum: a atividade física. Se essa atividade for mais específica como o Pilates, é melhor ainda! O que falta muitas vezes é aquele empurrãozinho para que eles comecem a interagir.

Outra vantagem de criar uma conexão entre os alunos do grupo: lembra daquela recompensa a curto prazo? Ir para a aula e poder praticar atividades com amigos é uma ótima recompensa. Tenho certeza que quando você começar a utilizar esses tipos de exercícios seus alunos ficarão ansiosos por toda aula.

Não é tão difícil perceber porque muita gente tem dificuldade de ser assíduo na academia. É um ambiente hostil, sem colegas com quem compartilhar as experiências. Num mundo conectado como o atual, todos se sentem melhor socializando.

Incentiva alunos a convidarem amigos

Podemos admitir que todos nós adoramos fazer atividades com amigos, familiares e aqueles que amamos. O mesmo acontece com seus alunos. Se uma aula é boa e o incentiva a interagir com outros, ele sentirá mais vontade de te recomendar para seus amigos.

Em primeiro lugar, o aluno certamente vai querer dividir aquela hora do dia com pessoas próximas. Isso o levará a convencer um amigo ou colega a frequentar o mesmo grupo que ele.

Praticar atividades físicas com um amigo será uma maneira de se motivar e manter a frequência. E fazer exercícios de Treinamento Funcional em dupla com alguém também deixará os laços entre as duplas mais profundos.

Muitos dos exercícios em dupla que podemos utilizar numa aula incluem algum elemento de cooperação. Os dois precisarão cooperar para atingir um objetivo (realizar o exercício), fazendo com que melhorem a confiança e o relacionamento em geral.

O que quer dizer que seu aluno terá maior bem-estar em sua vida pessoal, além das aulas. Perceber os resultados do trabalho feito na academia ajudará a criar um aluno fiel a você e pronto para trazer ainda mais praticantes.

Cria colaboração entre os alunos

treinamento funcional em dupla e colaboração

Dar aulas em grupo pode ser um desafio. O profissional precisa monitorar cada um dos praticantes constantemente para garantir que o movimento está certo e não existem riscos.

Quando cada um no grupo está trabalhando por si o instrutor pode deixar algum problema passar sem perceber. Mas trabalhar em dupla faz com que um sentimento de colaboração surja.

Assim o companheiro poderá alertar o professor quando o outro aluno estiver um pouco disperso. Claro que isso não dispensa a atenção do instrutor, só cria um facilitador para as correções.

Sentir-se como parte de um grupo também faz os alunos animarem uns aos outros. Quando alguém está cansado e quer desistir de um exercício uma dupla pode ser o diferencial que faz esse aluno continuar.

Cuidados na hora de usar exercícios em dupla

cuidados com exercícios em dupla

Agora que vimos todas as vantagens você já está pronto para encher sua aula de exercícios em dupla, certo? Ainda não.

Existem sim diversos benefícios de usar atividades de Treinamento Funcional em dupla durante uma aula, mas também precisamos tomar cuidado. Alunos são humanos, ou seja, possuem um comportamento muitas vezes imprevisível.

Eles também são indivíduos e o que funciona para um pode ser um desastre para outro. Então antes de começar a aplicar os exercícios na aula, preste atenção nos fatores a seguir.

Competitividade

Mas Keyner, você não acabou de dizer que competitividade é algo bom para a aula?

Sim, contanto que ela seja uma competição saudável. É ótimo que seu aluno mais sedentário sonhe em chegar ao nível do melhor aluno da turma. Mas você prestar atenção com o tipo de pessoa que frequenta sua aula.

Alguém que odeia perder e se frustra facilmente talvez se sinta desconfortável num ambiente que incentiva a competição. Preste muita atenção na reação de seus alunos quando você sugere um exercício em dupla.

Alunos que começam a reclamar, fazem cara feia ou demoram exageradamente para se arrumar provavelmente estão com problemas.

Ao deparar-se com uma situação dessas você tem algumas opções. A primeira delas é evitar atividades em dupla, especialmente se algum aluno não se dá bem com o resto do grupo. A segunda é usar exercícios sem incentivar a competição.

Lembre que competição exagerada pode levar seu aluno a desistir completamente das aulas. É muito comum alguém ficar frustrado porque não consegue acompanhar o resto do grupo e querer desistir. Preste atenção no nível de habilidade de cada um.

E também fique atento aos diálogos dos alunos durante a atividade. Qualquer reclamação é um sinal de perigo a ser considerado.

Falta de atenção

Lembra nos tempos do ensino médio quando sempre tinha aquele grupo de alunos que falava sem parar? Nas atividades físicas o mesmo acontece.

Algumas vezes os alunos ficam muito conectados com o grupo e querem aproveitar o momento do exercício para bater papo. Isso seria ótimo, se não desconcentrasse a turma.

Concentração ajuda a se mover de maneira funcional, eficiente e sem compensações. Uma dupla pode ajudar com o fator de motivação e auxílio. Porém tome cuidado para não abrir mão de um movimento de qualidade pela motivação.

Um grupo desconcentrado também deixará a aula mais lenta e criará descontentamento em alguns alunos mais dedicados a seus objetivos individuais. Nem todo mundo é tão apaixonado pelo trabalho em grupo a ponto de não ligar de estar em uma aula muito bagunçada.

Preze sempre pela organização da aula, recomendando que os alunos mais conversadores terminem seus exercícios antes de falarem.

Problemas com espaço

Ao dividir uma turma em duplas você precisa lembrar que eles precisarão de um espaço diferenciado para praticar a atividade. Se eles se separarem pelo lugar sem pensar nisso podem levar a problemas durante a execução do exercício.

Felizmente esse é um problema facilmente contornável. Basta que o instrutor recomende a distância mais adequada entre as duplas. Se estiverem trabalhando num tatame por exemplo, você pode recomendar que fiquem a um ou meio quadrado de distância da outra dupla.

O instrutor também pode mostrar para cada dupla o lugar ideal para ficarem. Assim você impede que os próprios alunos se atrapalhem durante a prática. A boa distribuição do espaço também ajuda a evitar acidentes e situações constrangedoras como quedas e batidas.

Diferenças físicas e psicológicas individuais

Cada aluno é único em seu corpo, mente e objetivos. Portanto você talvez encontre pessoas com habilidades e pensamentos divergentes demais para conseguir trabalhar em grupo.

Se sua turma é variada demais talvez seja melhor evitar exercícios que precisem da ajuda de uma dupla. É possível que as diferenças em habilidade gerem conflitos e descontentamento.

Está em dúvida se seu grupo de alunos gostaria de exercícios de Treinamento Funcional em dupla? Então faça um teste em duas ou três aulas. Depois disso analise como foram os resultados.

Talvez as habilidades físicas de cada um tenham impedido que o exercício fosse realizado corretamente. Ou as desavenças entre alunos criaram uma divisão no grupo. Esses são resultados negativos a serem considerados.

É possível contornar tais aspectos negativos? Avalie suas opções e faça um novo teste. Talvez tudo funcione bem caso você escolha as duplas. Depois do teste avalie novamente.

Como instrutor é seu papel conhecer bem os alunos e descobrir pouco a pouco o que funciona melhor com cada um. Em grupos cheios de amigos é possível que essa amizade seja um limitador, por exemplo.

Pessoas muito próximas podem querer diminuir seu ritmo para acompanhar o colega. O oposto também acontece quando alguém com pouca aptidão física passa do seu limite para acompanhar a dupla.

O resultado é uma aula com exercícios pouco eficientes e funcionais com um risco de lesão aumentado.

Como decidir se um exercício é bom ou não para minha aula?

Vimos até agora as vantagens e riscos de usar uma atividade de Treinamento Funcional em dupla. As chances de você obter um bom retorno ao utilizar tais exercícios são grandes.

Provavelmente inserindo um ou dois atividades do tipo você já verá que os alunos estão mais motivados e integrados no grupo. Mas resultado talvez seja o oposto.

Primeiramente, o profissional deve avaliar cada um de seus alunos para estimar se aquela é a atividade certa. Fatores como a aptidão física, personalidade, tamanho e objetivos individuais devem entrar nessa decisão.

Você quer evitar conflitos e maximizar o aproveitamento de cada um, então precisa levar em conta todos os riscos.

E claro, o exercício precisa ser funcional e contribuir para os objetivos da aula.

Nunca inclua uma atividade porque ela é “divertida”. Mesmo que a curto prazo seu aluno fique mais animado e motivado, ele tem um objetivo a longo prazo que deseja cumprir.

Leve em consideração as musculaturas trabalhadas e como melhor encaixar o exercício na aula. Se for algo muito complexo talvez você precise incluir exercícios preparatórios antes de começar com o movimento.

Claro que saber se é algo muito complexo ou não também depende dos alunos. Um grupo mais avançado pode até não precisar de preparação, entre outro exija preparação prévia para fazer tudo corretamente.

Mesmo durante exercícios em dupla você deve prezar sempre pela excelência do movimento. Num momento onde a descontração é maior seu aluno realiza mais erros, exigindo uma atenção maior do instrutor para cada dupla.

5 exercícios de Treinamento Funcional em dupla

Está decidido a testar os exercícios em dupla na sua aula? Então confira minhas dicas abaixo para usar nas aulas.

Conclusão

A motivação de um aluno é um dos fatores que o fazem ficar ou abandonar suas aulas. E essa motivação sofre grande influência do círculo social que ele encontra.

Estar deslocado do grupo faz com que a pessoa se sinta menos à vontade no seu espaço de treinamento e com menos vontade de comparecer. O aluno provavelmente não vai admitir, mas se ele estiver conectado com os colegas faltará menos e treinará com mais empenho.

Os exercícios feitos em dupla são uma ótima maneira de incentivar a colaboração e interação entre os alunos. Se quiser transformar um grupo geralmente quieto numa turma animada e conectada, inserir alguns desses exercícios em aula é uma opção.

Porém, também é importante estar atento aos riscos de usar atividades do tipo. As diferenças entre cada aluno talvez sejam um fator que leva a conflitos.

Além disso, qualquer exercício usado numa aula (independente da modalidade) deve servir um propósito. Ok, ele é divertido, mas ajuda seu aluno a aprimorar seu corpo e criar movimentos mais funcionais? Se a resposta for sim, perfeito, use. Se for não, deixe o exercício de fora e escolha algo que agregue valor à aula.

E você, já usou exercícios em dupla durante suas aulas? Quero saber nos comentários como foi a experiência e a reação dos alunos.

Se quiser continuar recebendo meus conteúdos lembre de se inscrever na LISTA VIP do blog.

7 Comentários

Deixe uma Resposta
  1. muito agradável
    faço muito exercícios em dupla, leg strech, doube leg, shoulder bridge…entre outros, mas estas versões são um repertório EXCELENTE
    grata

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *