Posted in:

3 exercícios de mobilidade torácica combinados

exercícios de mobilidade torácica

Existe um problema importante que afeta um número enorme de alunos nossos. Esse problema é causador ou pelo menos influencia em dores, patologias e até lesões por todo o corpo. O pior de tudo: muita gente nem sabe que ele está ali e por isso não busca ajuda para corrigi-lo. Esse problema é a falta de mobilidade que atinge a coluna torácica. Para nosso alívio, existem ótimos exercícios de mobilidade torácica para inserir nas aulas.

Nesse artigo trago algumas informações relevantes sobre a coluna torácica, sua função e compensações comuns geradas pela falta de mobilidade. Também indico três exercícios que integram coluna torácica e outras regiões do corpo de maneira eficiente para você usar. Continue lendo para aprender tudo!

Por que usar mobilidade de torácica integrada a outras regiões?

Assim que fazemos a avaliação do aluno e percebemos um desequilíbrio já começamos a pensar em exercícios. Nossa intenção é encontrar algo que resolva o problema de maneira rápida e simples. É nessa hora que geralmente chegamos nos exercícios isolados.

Apesar de serem parte da solução, é impossível realmente reabilitar um aluno só com eles. Como o corpo é interligado, precisaremos trabalhar tanto coluna torácica quanto outras regiões afetadas. Veja bem: a coluna vertebral possui funções tanto de proteção quanto de mobilidade.

Para que essas funções sejam cumpridas precisaremos de uma coluna equilibrada. Excesso de rigidez gera a falta de mobilidade que conhecemos tão bem. Já excesso de mobilidade gera instabilidade, que deixa o aluno pré-disposto a dores e lesões. Ou seja, nada em excesso será bom.

Agora pensemos nisso levando em consideração a coluna torácica. Essa é a uma parte da coluna naturalmente menos móvel graças a algumas características anatômicas. Ela também possui vértebras diferenciadas por fazer conexão com a caixa torácica. Porém ela não está sozinha no corpo. Se liga ao ombro através das escápulas, à cervical e à lombar.

Será que realmente podemos pensar que só exercícios isolados são a solução para nosso aluno? Mesmo que você ajude essa coluna a ganhar mobilidade num exercício isolado, ele terá capacidade de transferir isso para outros movimentos?

A transferência é essencial para o funcional e o Pilates. Se o aluno é incapaz de se movimentar seu corpo fora de aula falhamos. Agora pense como nos movemos no dia-a-dia. Tenho certeza que não é mobilizando cada articulação ou região individualmente.

Por isso é importante ter no seu repertório exercícios combinados que te ajudem a trabalhar a coluna torácica.

Compensações geradas pela falta de mobilidade torácica

compensações e exercícios para mobilidade torácica

Lembre-se do que falei no tópico anterior, a coluna torácica está ligada direta ou indiretamente a diversas partes do corpo. A primeira delas, que é bastante visível e fácil de compreender é com a caixa torácica.

Por estarem ligadas, uma disfunção na torácica também pode gerar problemas respiratórios no aluno. Isso porque falta de mobilidade torácica também gera pouca mobilidade na caixa torácica. Portanto, durante a respiração ela fica restrita na sua expansão e fornece uma respiração pouco eficiente.

Isso quer dizer que, ao trabalhar com um aluno com pouca mobilidade torácica ou até uma hipercifose precisamos estar atentos à respiração. Em geral, é melhor deixar os alunos respirarem como quiserem e evitar correções em excesso durante o exercício. Mas quando trabalhamos com alunos com falta de mobilidade torácica trabalhar a respiração também ajuda.

Inclusive, respirar da maneira correta ajuda o aluno a fazer alguns exercícios que envolvem enrolamento da coluna. Esses exercícios também serão recomendados para melhorar a mobilidade de coluna, mas seu aluno terá muita dificuldade para realiza-los respirando mal.

Continuando, a falta de mobilidade torácica provavelmente está por trás da dor no ombro do seu aluno. Em movimentos de amplitudes maiores a caixa torácica precisará se mover para possibilitar o movimento da escápula. Mas como isso é possível quando temos uma coluna sem mobilidade, portanto sem movimentos da caixa torácica.

Assim, o ritmo escapulotorácico fica prejudicado, gerando desequilíbrios importantes no ombro. Esse problema pode até estar por trás de uma síndrome do impacto do ombro. É claro que você precisará trabalhar com estabilização da escápula para que esses movimentos tornem-se funcionais novamente.

E claro, também existem duas regiões que obviamente estarão compensando quando temos problemas na torácica: a lombar e a cervical. Devido aos desvios posturais é comum encontrarmos uma cervical retificada e uma lombar instável. Isso também será fonte de dor e desconfortos.

Importância dos exercícios de mobilidade torácica para patologias

Vimos que a mobilidade torácica influencia em diversas outras partes, sendo importantíssima para tratar diversas patologias. Lesões e patologias relacionadas ao ombro provavelmente terão alguma influência da torácica.

Podemos dizer o mesmo de problemas na lombar, cervical e até quadril e membros inferiores. As compensações geram patologias ou são geradas por ela, isso você descobrirá na sua avaliação.

O que importa é sempre lembrar de trabalhar mobilidade torácica em todas as patologias que possam estar relacionadas a ela.

Como vou saber isso, Keyner?

Repito isso em todos os artigos, mas a avaliação será essencial para descobrir onde estão as principais compensações do seu aluno. Se você está com um caso de dor lombar, por exemplo, deve descobrir na primeira avaliação se a torácica está comprometida. Vou te falar algo que talvez não seja novidade, mas provavelmente ela está.

Os movimentos da coluna são completamente interdependentes, portanto um desequilíbrio que afete uma região dificilmente não se espalhará. Se você já imagina que existe alguma compensação na coluna torácica verifique. Ela realmente está lá? Você precisa de exercícios combinados para torácica e a região com patologias urgentemente.

Podemos até encontrar compensações na coluna torácica que estão relacionadas a falta de mobilidade de quadril. Então por que se contentar em isolar quando podemos resolver o problema de maneira muito mais eficiente?

Exercícios

  1. Exercício combinado de mobilidade de quadril e torácica

2. Exercício combinado de ombro e torácica

3. Exercício combinado de ombro e torácica

Conclusão

Apesar da falta de mobilidade afetar a coluna torácica em especial, é importante trabalhá-la de maneira integrada. Isso porque suas compensações se espalham para regiões como ombros, cervical e até quadril e membros inferiores. Se realmente queremos recuperar a funcionalidade desse aluno teremos de usar exercícios de mobilidade torácica que combinam outras regiões.

É por isso que é importante conhecer exercícios como os que mostrei nesse artigo. Eles te ajudarão a complementar sua aula para que você consiga oferecer mais resultados para seu aluno. Ainda tem dúvidas sobre o trabalho de coluna torácica? Confira meu artigo completo com 15 exercícios para a região.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *